Magnificat

Graça e paz!

No último domingo, dia das mães, preguei sobre o “cântico de Maria”, também conhecido como Magnificat. Se você é mulher ou mãe (biológica ou não), está especialmente convidada para refletir comigo nesta oração de gratidão que marcou a história!

Oro para que a espiritualidade revelada nesta oração seja verdade em nossa espiritualidade cristã contemporânea. Oro também para que as igrejas locais sejam ambientes seguros para qualquer mulher, as protegendo do machismo que tanto assola nossa sociedade.

nEle,

André Anéas

Anúncios

A experiência da libertação

[Meditações no Salmo 9]

O mundo é injusto. A injustiça se manifesta de forma cristalina. Uma minoria detém os recursos financeiros do globo. A maioria vive a vida com o que sobra. Muitos sequer vivem, tão somente sobrevivem. A fome ainda assola a humanidade. Falta água para irmãos e irmãs! Coisas simples do cotidiano – ambiente limpo, com saneamento básico e livre de contaminação – é um luxo. A opressão ao pobre é real. A humanidade sofre e é oprimida por gente desumana, gananciosa e perversa. Em diversos momentos gememos, ficamos abatidos e aprisionados em um sentimento de impotência diante da maldade que nos aflige. Há esperança? A experiência da libertação desse mal real que abala o físico e o emocional é possível no Eterno! O salmista grita de gratidão, dá graças a Deus e canta. Por quê? Porque Deus age na história das mazelas humanas. Deus toma partido da causa do pobre. Deus se manifesta colocando a casa da humanidade em ordem. Deus vem com livramento para o que clama e suplica por ajuda. O Deus do salmista toma partido da causa do sofredor e se faz presente para todo aquele que o busca. Há esperança. Deus é justo juiz e nenhuma maldade passa despercebida. Quando Ele se revela ao pequenino – o oprimido –, que está em prantos, faz questão de colocar a humanidade opressora em seu devido lugar. Deus não foge da briga. Para quem se coloca como necessitado e carente, triste e abatido, fracassado e derrotado, o Eterno se mostra como uma torre forte no dia da angústia, como uma barreira contra as tempestades da existência. Nessa torre cabe todo o que busca proteção, auxílio, renovo, restauração, sustento e amor. Na torre de Deus sempre há espaço para o que sofre. Quem está nela pode cantar de alegria, pois tem certeza de que Deus faz justiça e de que Ele não esquece dos desabrigados. Como é bom ser alvo da proteção e da libertação de Deus! Que desgraça é ser alvo da justiça e da mão que pesa contra o que aprisiona a humanidade. Louvemos, pois, o SENHOR de todo o coração, pois Ele é libertador e provedor de esperança no mundo caído. O Altíssimo sempre lembra do prisioneiro injustiçado e tem prazer em romper as correntes que o aprisionam!

André Anéas

A experiência da prosperidade

Graça e paz!

Compartilho a mensagem que preguei no último domingo na IBQ. Falei sobre a “experiência da prosperidade” a partir do salmo primeiro. O que é prosperidade? O que é felicidade? Como desfrutar da alegria da prosperidade durante nossa vida? Essas pergunta estão em meu horizonte de reflexão neste sermão.

Oro para que sua vida cristã seja próspera e feliz. Penso ser essa a intenção de Deus para todos nós: que nossa vida seja como árvore replantada no Éden. Assim seja!

André Anéas

Por que estudar teologia?

Graça e paz!

Compartilho minha tentativa de responder a pergunta “por que estudar teologia?” Minha fala contém 7 motivos que penso justificar o estudo teológico como algo importante e imprescindível para a igreja local. Espero que contribua com sua reflexão e que torne evidente e clara a relevância do labor teológico.

André Anéas