A experiência da libertação

[Meditações no Salmo 9]

O mundo é injusto. A injustiça se manifesta de forma cristalina. Uma minoria detém os recursos financeiros do globo. A maioria vive a vida com o que sobra. Muitos sequer vivem, tão somente sobrevivem. A fome ainda assola a humanidade. Falta água para irmãos e irmãs! Coisas simples do cotidiano – ambiente limpo, com saneamento básico e livre de contaminação – é um luxo. A opressão ao pobre é real. A humanidade sofre e é oprimida por gente desumana, gananciosa e perversa. Em diversos momentos gememos, ficamos abatidos e aprisionados em um sentimento de impotência diante da maldade que nos aflige. Há esperança? A experiência da libertação desse mal real que abala o físico e o emocional é possível no Eterno! O salmista grita de gratidão, dá graças a Deus e canta. Por quê? Porque Deus age na história das mazelas humanas. Deus toma partido da causa do pobre. Deus se manifesta colocando a casa da humanidade em ordem. Deus vem com livramento para o que clama e suplica por ajuda. O Deus do salmista toma partido da causa do sofredor e se faz presente para todo aquele que o busca. Há esperança. Deus é justo juiz e nenhuma maldade passa despercebida. Quando Ele se revela ao pequenino – o oprimido –, que está em prantos, faz questão de colocar a humanidade opressora em seu devido lugar. Deus não foge da briga. Para quem se coloca como necessitado e carente, triste e abatido, fracassado e derrotado, o Eterno se mostra como uma torre forte no dia da angústia, como uma barreira contra as tempestades da existência. Nessa torre cabe todo o que busca proteção, auxílio, renovo, restauração, sustento e amor. Na torre de Deus sempre há espaço para o que sofre. Quem está nela pode cantar de alegria, pois tem certeza de que Deus faz justiça e de que Ele não esquece dos desabrigados. Como é bom ser alvo da proteção e da libertação de Deus! Que desgraça é ser alvo da justiça e da mão que pesa contra o que aprisiona a humanidade. Louvemos, pois, o SENHOR de todo o coração, pois Ele é libertador e provedor de esperança no mundo caído. O Altíssimo sempre lembra do prisioneiro injustiçado e tem prazer em romper as correntes que o aprisionam!

André Anéas

Anúncios

A experiência da contemplação

[Meditações no Salmo 8]

Quando refletimos seriamente acerca da nossa existência e nos deparamos com os nossos limites, nossa finitude e nossa angústia diante da liberdade… Quando temos diante de nós gigantes cujos nomes são Incompetência e Pequenez… Quando nos damos conta de que nosso coração, juízo e discernimento nos enganam e nos levam para caminhos tolos… Quando tornam-se notórias nossas palavras mal-ditas, os julgamentos injustos e as decisões mal tomadas… Quando nos colocamos em nosso lugar, pavimenta-se diante de nós a oportunidade de contemplar o Eterno. O salmista percebe Deus na vida. Nas expressões inocentes nos lábios dos bebês, nas pinturas criativas e pigmentações ainda não conhecidas do imenso céu, na lua em seus detalhes e com todas as suas fases e nas constelações incontáveis que, devido a sua imensidão, nos tiram o fôlego, há canções que exaltam o SENHOR. O nome dEle ecoa, se faz presente, se revela e se mostra no que é Belo. A Beleza canta ao SENHOR. Na experiência de contemplação o salmista está sensível para perceber a majestade de Deus. Porém, o que o espanta vai além daquilo que se vê e está relacionado com ele mesmo – o humano. Nós somos alvo da preocupação e da importância do Todo-Poderoso! O Criador nos fez, nos deu honrarias e privilégios, nos amou. E, ainda mais, nos tornou seus jardineiros da criação. Pastoreamos suas ovelhas, nadamos em seus oceanos, ouvimos os seus pássaros cantarem, apreciamos o desconhecido de suas criações nas profundezas dos oceanos. Nós, colaboradores do grande Eu Sou? Nós, que somos meros humanos? As Sagradas Escrituras atestam que sim. O que resta para nós diante desse fato escriturístico? O salmista testemunha a experiência da contemplação. Cabe aqui pouca elaboração teórica. É o momento de ficarmos pasmos, admirados e encantados com um Deus tão poderoso, grandioso e eterno e, ao mesmo tempo, próximo do humano, chegando a nos convidar à cuidar do jardim da criação e a contemplar cada instante da vida como um momento santo. Atenção(!), o mundo está repleto da beleza do Santo, Santo, Santo. E, no ápice da beleza dos atos criativos de Deus, nós somos o principal objeto de seu amor.

André Anéas

A experiência da auto-justificação

[Meditações no Salmo 7]

A vida é repleta de relacionamentos tensionados. Em muitos momentos estamos imersos em situações nas quais nos vemos acusados de erros que cometemos. Em outras oportunidade somos nós quem cobramos dos outros acerca das falhas em relação à nossa pessoa. Não é difícil entrarmos em um tipo de dinâmica na vida em que vivemos para sustentar nossa verdade, nosso senso de justiça e nosso ponto de vista. Podemos acabar investindo muito tempo, emoções e toda nossa energia para provar que somos nós que estamos certos e que são os outros que estão errados. Isso cansa a existência, tornando-a um fardo. A experiência do salmista revela uma alternativa à essa engrenagem da auto-justificação. Para experimentarmos uma espiritualidade sadia é decisivo termos a convicção que o único referencial de justiça está em Deus, não em nós. Em relação a nós, inclusive, cabe sempre desconfiança, pois temos o potencial de manipulação de sentimentos, emoções e da própria razão em benefício próprio. Por isso, diante de ataques contra nossa honra, sigamos o exemplo do salmista: se refugiar em Deus, pois somente nEle há salvação e alento para alma, ter a certeza que nosso escudo está nas mãos dEle, para proteger quem realmente somos, e agradecer, porque Ele é justo e bom o tempo todo. Não somos capazes de sondar a mente e o coração de ninguém e os problemas são sempre mais complexos do que admitimos. Assim, não se sente na cadeira de juiz, ela não foi feita para nossa humanidade. Liberte-se dessa obrigação de buscar justiça própria e desfrute da leveza de tão somente cantar louvores a Deus. O caminho da justiça própria é uma armadilha, um sofrimento, estrada da desilusão. O caminho da confiança no SENHOR da justiça é cantoria, alegria, liberdade e paz!

André Anéas