Espiritualidade de ovelha

Compartilho a menagem do último domingo: “espiritualidade de ovelha”. O que tem te faltado na vida? Quais são suas necessidades? Quais são suas carências? Aceitação? Subir mais degraus em “santidade”? Agradar alguém – o pastor, um amigo, alguém importante da igreja?

Nesta exposição do Salmo 23 somos desafiados a ser ovelha, dependendo, portanto, do Bom Pastor. E só!

nEle,

André Anéas

“A contabilidade do Reino” [Jesus: o poeta da Torá]

“Jesus: o poeta da Torá”: série de mensagens da #IBQ. O Evangelho através da voz do próprio Jesus, em parábolas.

Domingo passado a reflexão foi na parábola dos talentos (Mateus 25:14-30). Deus tem nos dado muitas coisas. Tem compartilhado conosco suas riquezas, inclusive o fôlego de vida. O que temos feito com tudo o que o Pai tem nos dado? Essa mensagem irá nos mostrar a responsabilidade que temos em honrar o fôlego de vida que Ele nos fornece vivendo uma vida que vale a pena ser vivida. Seremos desafiados a nos perguntar se a graça, misericórdia e perdão que recebemos da parte de Deus tem sido multiplicado por nós em nossa jornada por esse mundo.

Esta e outras lições podemos aprender ouvindo Jesus e seu evangelho.

Oro para que você abra seu coração e ouça a voz de Jesus, deixando-a fazer diferença em você.

nEle,

André Anéas

“O solo do nosso coração” [Jesus: o poeta da Torá]

“Jesus: o poeta da Torá”: série de mensagens da #IBQ. O Evangelho através da voz do próprio Jesus, em parábolas.

Domingo passado a reflexão foi na parábola do semeador (Lc 8:4-15). Será que o solo do nosso coração está propício para o desenvolvimento do Evangelho? Um coração – solo – bom será um lugar ideal para que o Evangelho se desenvolva e crie raízes profundas. Do contrário, nosso coração será justamente o empecilho para o trabalho de um semeador eficiente e de uma semente de excelente qualidade!

Esta e outras lições podemos aprender ouvindo Jesus e seu evangelho.

Oro para que você abra seu coração e ouça a voz de Jesus, deixando-a fazer diferença em você.

nEle,

André Anéas

Transformados para servir em amor

Nesse último final de semana tive a alegria de ser o preletor no aniversário de 44 anos da Igreja Batista Moriá, cujo pastor é Marcos Alvarenga. Sou grato e me sinto honrado em poder pregar sábado e domingo sobre um tema tão essencial para nossa espiritualidade e vida comunitária.

Oro para que você seja desafiado a revisitar sua prática cristã, de modo a servir tendo Jesus como grande exemplo. Jesus, que lavou os pés dos homens, inclusive do traidor. Que sirvamos lavando os pés da humanidade!

nEle,

André Anéas

Fé, esperança e amor

O que não muda nunca para o(a) discípulo(a) de Jesus? Nessa mensagem pregada na IBQ refletimos sobre os elementos que, independente de quanto tempo possa passar, NUNCA mudam na vida do cristão. Fé, esperança e amor.

Minha oração é para que nós possamos seguir em frente, no mesmo espírito que o cavaleiro da gravura abaixo, obra que reflete a Reforma Protestante do séc. XVI:

Gravura de Albrecht Dürer

O Pai do Cristo

Pensando e refletindo nas Sagradas Escrituras e também no dia dos pais, comemorado no último domingo, a mensagem na IBQ foi sobre o “O Pai do Cristo”. Observando nos evangelhos o tipo de relação – de ordem trinitária – existente entre o Filho e o Pai, é possível obtermos dois tipo de aplicações para nossas vidas. A primeira diz respeito ao modelo de espiritualidade que nós, como irmãos mais novos de Jesus, devemos ter com o Pai revelado no Cristo. Em segundo lugar é possível obtermos o modelo que nós devemos ter para as nossas relações humanas, especialmente, em virtude da data, as relações que envolver a paternidade.

Oro para que Deus inspire seu coração a viver uma vida que exale comunhão, exemplo, amor e obediência voluntária ao Pai do nosso Senhor Jesus Cristo.

nEle,

André Anéas

“A verdadeira experiência de Deus” [Jesus: o poeta da Torá]

“Jesus: o poeta da Torá”: série de mensagens da #IBQ. O evangelho através da voz do próprio Jesus, em parábolas.

Domingo passado a reflexão foi na parábola do publicano e fariseu (Lc 18:9-14). Será que nossa experiência de Deus é verdadeira? Ou é apenas uma experiência religiosa – prática religiosa sem de fato experimentarmos o Pai revelado em Jesus? Essa parábola nos mostra a possibilidade de orarmos e não sermos receptores do perdão de Deus: algo estarrecedor. Minha oração é para que nossa espiritualidade seja construída nos moldes fornecidos pelo Cristo, que sempre nos impulsiona à uma vida humilde, de coração quebrantado e de sinceridade radical, receita para a verdadeira experiência de Deus.

Esta e outras lições podemos aprender ouvindo Jesus e seu evangelho.

Oro para que você abra seu coração e ouça a voz de Jesus, deixando-a fazer diferença em você.

nEle,

André Anéas