Os propósitos da Igreja

Graça e paz!

Compartilho a mensagem que preguei na Igreja Batista Mundo Novo em 20/05/2018. Estou convicto de que este conteúdo é importantíssimo para nossa reflexão sobre para que a Igreja existe e para nossa prática cristã, dentro das diversas comunidades em que estamos inseridos. Faço questão de mencionar que grande parte do insights são fruto de um encontro de pastores que participei no final do ano passado.

Nesta mensagem retornei ao livro de Atos, em que Lucas nos relata aspectos muito importantes da igreja do primeiro século. Conseguimos perceber nas leituras do livro aspectos fundamentais da Igreja, que em muito se distinguem da realidade institucional (que tem sua devida importância). A abordagem é da Igreja de Jesus, uma Igreja orgânica, viva e em movimento.

Oro para que o Senhor abra os olhos do seu coração e que o Espírito Santo o aqueça. Oro para que você seja a Igreja na essência do que ela é.

nEle,

André Anéas

Qual o propósito da Igreja?

Anúncios

Introdução [“Independência” é Morte]

“Eles foram convencidos pelo discurso de Gamaliel…” – Atos 5:40 [leia Atos 5:17-41]

Estado de “Independência”

Durante toda minha vida, nestes quase 25 anos, pude perceber que existe algo no ser humano que é um “combustível” para ele viver, uma grande motivação. Isto fica muito claro para mim quando observo a história. Em quantas guerras o homem já se envolveu? Quantos já morreram por conta de algum “ideal”? Quantos povos, tribos e nações envolvidas em algum tipo de conflito? Qual seria o porquê de toda história de guerras e conflitos entre os homens? Parte destas minhas percepções está baseada em filmes de guerras (medievais, modernas…), documentários, leituras sobre história. E quando nós olhamos para a história, em meio a todos estes conflitos, é praticamente certeza que encontraremos uma palavra: “independência”. Muitas vezes esta independência é transfigurada na palavra liberdade. Não basta somente irmos até um dicionário para entendermos o que esta palavra significa, pois não seria possível que somente seu significado motivasse homens pela história a bradarem por independência (ou liberdade), a ponto de entregarem suas vidas por um “ideal”. A questão não é e nunca foi a independência em si, mas sim o estado proporcionado por ela.

Deixando de lado a conquista pela conquista e a glória pela glória, almejada por muitos, o homem em geral luta por independência pelo estado de liberdade proporcionado por ela. Não se trata de algo superficial, mas de profundidade imensa! O estado de independência é um combustível significativo na vida do homem. A liberdade de trabalhar e fornecer condições dignas para sua família viver, educando os filhos, amando sua esposa e desfrutando da vida sem o julgo de algo “opressor” é algo que mexe de tal maneira com as emoções humanas que levaram muitos a declararem: “independência ou morte”. O estado de “independência” nos dá a clara ideia de um estado de plena satisfação, de plena realização, de que tudo foi conquistado e o que resta é desfrutar/viver dentro deste estado de perfeita paz. É interessante pensarmos que a morte é a segunda opção. O mais importante para os que bradaram esta frase é que se não for para se alcançar este estado de “independência” melhor seria morrer. Porém, ao viver neste estado, creio eu que, se a escolha do futuro ficasse a cargo do homem, com certeza, a imortalidade seria a principal escolha (a se ver por aqueles que buscam conquista pela conquista e a glória pela glória – já tendo alcançado a tempos a “independência”).

Grandes Líderes

Obviamente, no meio de tantas batalhas por “ideais” diversos, que de uma forma ou de outra, são águas cujas nascentes tem relação direta com “independência” e “liberdade”, quantos são os homens que se pudessem escolher sair do campo de batalha ou não manter vínculo algum com os “ideais” da causa pelejada assim o fariam? Sim, com certeza este número não é pequeno, pois o que nos chega muitas vezes é a parte romântica da história. Entretanto, o que dizer dos grandes líderes? Independente do romanticismo, algo é notório. Muitas vezes o desejo pela liberdade e pela conquista de uma “independência” que leve o povo, tribo ou nação em questão a desfrutar de um estado de paz é tão elevado que praticamente pode ser personificado nestes líderes. Che Guevara, Nelson Mandela e William Wallace são alguns exemplos. Este último, famoso guerreiro escocês (do filme Coração Valente), dizem ser seu este verso: “Liberdade é a melhor de todas as coisas a ser conquistada, a verdade, lhe digo então: nunca viva com os grilhões da escravidão, meu filho”.

Características dos Grandes Líderes

Vocês podem me perguntar: o que isso tudo tem a ver conosco? Não quero fazer apologia a nenhuma ideologia aqui, senão somente ao evangelho do Senhor Jesus. Mas existem algumas características notórias nestes grandes nomes da história, se assim podemos dizer. Primeiro: Todos são completamente apaixonados por aquilo que lutam (emoção). O desejo pelo estado proporcionado pela “independência” em questão inflama suas vidas a ponto de se entregarem pela causa, lutando até a morte se necessário; Segundo: Todos estão convictos de suas “causas” (razão). A convicção é tamanha que investem suas vidas, correndo risco de morte, para alcançar seus objetivos; Terceiro: A paixão e convicção são tão grandes que inspiram seus liderados. O “fogo” que os inflama incendeia todos ao redor, gerando a mesma intensidade nos “compatriotas” de causa. Paixão, convicção e inspiração. Três palavras que tem tudo a ver com os grandes bramadores de “independência ou morte”.

André Aneas

[acompanhe esta série de posts sobre “Independência” é Morte]

Acesse o link original desta pregação:

“Independência” é Morte

Ouça o audio:

Faça o download:

“Independência” é Morte – (download – clicar com o botão direito e em ‘salvar link como’)