Introdução [Ser Crente Pra Valer!]

convicção

A Bíblia contém inúmeras histórias de gente como a gente. Gente que trabalha, que se diverte, que tem família, que busca um propósito, que possui vontades, sonhos e que faz planos para a vida. Porém, no enredo das histórias bíblicas, vemos um Deus que age na vida de pessoas, cujas vidas são drasticamente transformadas. Deus toca a história do homem e a história do homem muda. Ou, quem sabe, a história de Deus toca o homem e o homem muda.

Na Bíblia temos a história de Noé, que obedeceu a Deus e construiu uma arca devido ao grande dilúvio que viria. Abraão, que deixou seus parentes e cidade para trás e seguiu a orientação da voz de Deus. Temos Jacó, que, depois de ter brigado literalmente com o Anjo do Senhor, ficou coxo e passou a ser chamado de Israel. Existe o relato da história de Moisés, que enfrentou um grande desafio ao liderar o povo de Deus na saída do Egito em direção a terra prometida e nunca mais foi o mesmo Moisés que habitava na casa de Faraó. Um pouco mais adiante temos grandes histórias de profetas, como Isaías que viu o trono de Deus, Jeremias conhecido de Deus no ventre da mãe e o profeta Elias, que na dependência de Deus viu fogo descer do céu e consumir o altar para vergonha dos profetas de Baal.

Na nova aliança os exemplos continuam. João Batista, convicto de seu chamado prega no deserto, come gafanhotos com mel e veste roupa de camelo, além de desafiar toda classe religiosa de sua época. Pedro, Tiago, João e André não hesitaram em largar as redes de pesca e seguir Jesus. Mateus, o coletor de impostos, da mesma forma, ao ouvir o chamado de Jesus deixa seu trabalho e o segue. Isso sem falar no próprio Senhor Jesus, que não deixou sua obediência à voz de Deus de lado, mesmo que a orientação tenha sido a de morrer em uma cruz. O que dizer de Paulo? Depois de uma experiência com o Cristo ressurreto deixou de ser perseguidor da Igreja, deixou sua fama para trás e se tornou apóstolo fora do tempo, considerando tudo o que tinha antes como esterco quando comparado com o conhecimento da grandeza de Cristo.

Não posso me esquecer também dos que após um encontro com o Deus vivo chegaram ao ponto de serem mártires pela causa do Evangelho de Jesus. Muitos homens e mulheres deixaram muitas coisas para trás. Muitos pagaram um preço elevadíssimo por acreditarem completamente no Deus da Bíblia e seguirem as instruções Dele.

Os exemplos são muitos. Histórias de gente como a gente. Porém, gente que não viveu uma vida superficial na presença de Deus. Gente que não se limitou a ter as águas na canela, mas que desceu até as profundezas do que significa caminhar com Deus. Gente que viveu pela fé no Deus invisível. Gente que deixou muitas coisas para trás por Jesus.

Todos estes exemplos tem algo em comum. Ele viveram a vida com Deus para valer! Não estavam “namorando” uma religião. Ao contrário, se entregaram completamente a voz de Deus e ousaram servir ao Senhor que é santo, santo, santo.

Não quero dizer que a história destes homens foi sem falhas. Eles deram seus tropeços. Mesmo assim, se levantaram, foram corrigidos por Deus e continuaram perseverando até o fim, correndo a carreira da fé. Como Paulo, muitos poderiam ter dito:

Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé.  2 Timóteo 4:7

Para mim, heróis da fé, pela graça de Deus.

Homens e mulheres que foram seguidores do Senhor para valer! O tema desta mensagem é “Ser Crente Pra Valer”. E para compreender as implicações de seguir a Jesus pra valer, gostaria de meditar no texto de Marcos 10:17-31, que nos conta a história de um homem, que se recusou a seguir Jesus devido as mudanças que aconteceriam em sua vida…

André Anéas

Acesse o link original desta pregação:

Ser Crente Pra Valer!

Ouça o audio:

Faça o download:

Ser Crente Pra Valer

Desafio 2: Paixão, Convicção e Inspiração [“Independência” é Morte]

Sendo nós cristãos, fazemos parte da igreja do nosso Senhor e temos uma missão: ser sal. Ou seja, fazer diferença nesta terra. Agora eu te pergunto: se não formos cristãos apaixonado, convictos e, consequentemente, inspiradores, de que maneira faremos diferença aqui na terra? Talvez você possa achar que possui estas características. Mas creio eu que devemos nos examinar, como as Escrituras nos orientam.

  • Tenho paixão pelas coisas do Reino de Deus? Por Jesus? Pela igreja?
  • Estou convicto de que Ele é a verdade?
  • Sou inspirado e as pessoas ao meu redor são inspiradas pela minha paixão e minha convicção?

Paixão

Deve haver em nós sentimento, emoção, paixão por Jesus! Quando nós acordamos, nosso primeiro pensamento precisar ser Ele, quando nos deitamos, nosso último pensamento deve ser Ele. Quando estamos em nossas reuniões nas comunidade de fé devemos ter espaço para vibrar de alegria por aquele que nos salvou. Precisamos ser mais apaixonados, mais vibrantes por Ele.

É necessário nos entregar totalmente ao Espírito Santo. Precisamos voltarmos a enfatizar a vida no Espírito, o ser cheio Dele, o se alegrar Nele. Tenho certeza que uma vez que tenhamos mais experiências com o Espírito Santo que habita em nós, mais paixão pelo Senhor teremos. A adoração em nosso meio será diferente, nossas orações serão mais fervorosas, nossa pregação terá mais intrepidez e nossas atitudes refletirão as atitudes do Filho.

Convicção

Totalmente dependente da paixão é a convicção. Afinal, se tivermos uma convicção (intelectualidade, conhecimento, …) sem paixão, seremos bons teóricos, mas mortos pela letra e sem vida. Agora, a importância da convicção se dará nos momentos de adversidade, nos momentos de luta, nos momentos de testes proporcionados para nosso crescimento e maturidade.

Sem sombra de dúvida, existirão dias em que vamos ter de agir com base na nossa convicção e não em nosso sentir. É neste momento que vamos ter de ser disciplinados para cumprir princípios da Palavra de Deus. Isto pode ser refletido em ter comunhão com o Corpo de Cristo, em adorar a Deus em meio as dificuldade e em não cessar nossas orações. A igreja precisa estar pronta para cumprir seu papel por mais que as circunstância digam que é impossível.

Muitas vezes, o ir em “mais” um culto pode se tornar um momento de profundo quebrantamento, “mais” um período de oração, poderá se tornar o momento mais próximo de Deus, “mais” um momento de adorar ao Senhor, poderá ser o dia em que os céus se abrirão para contemplarmos a glória de Deus. “Mais” um dia anunciando as boas novas, pode ser o dia em que um pecador será salvo. Mas tudo isto só acontecerá se tivermos plena convicção de quem Ele é e formos disciplinados.

Inspiração – Vida em comunidade

Uma realidade que reflete o resultado de paixão e convicção, a inspiração (testemunho para tão grande nuvem de testemunhas que nos cercam), é a comunidade cristã. Nós devemos ser semelhantes a soldados que lutam por nosso grande general, Jesus. E nós, como soldados da mesma guerra, da mesma causa, engajados, militantes e salvos da morte pelo mesmo Senhor, devemos refletir paixão, convicção e inspiração.

João 15:13 fala de um amor por um amigo, mas um amor voluntário e não um amor exigido. Quem são nossos amigos? Ao olhar para o irmão do seu lado na igreja você vê um amigo? Cristo morreu por amigos, para tornar o servo em filho e senhor em Pai. A exemplo de Cristo, dar a vida por um dos nossos pode implicar em:

  • Feridas tratadas em amor
  • Viver sem falsidade
  • Viver sem omissão
  • Menos orgulho
  • Mais perdão

Abro um parênteses: o que dizer dos líderes selecionado pelo Senhor (Efésios 4:11)? Como precisam ser inspiradores como fruto de sua paixão e convicção! São responsáveis pela edificação dos santos. Tamanha responsabilidade!

Nosso viver em comunidade deve inspirar quem nos observa, quem nos analisa. Se de fato o amor do Senhor está em nós, amaremos uns aos outros, conforme João 13:34-35.

André Anéas

[acompanhe esta série de posts sobre “Independência” é Morte]

1/9 – Introdução [“Independência” é Morte]

2/9 – Jesus: Grande Líder “Da Causa” [“Independência” é Morte]

3/9 – E Quanto a Nós? [“Independência” é Morte]

4/9 – Características do Mestre: Paixão [“Independência” é Morte]

5/9 – Características do Mestre: Convicção [“Independência” é Morte]

6/9 – Características do Mestre: Inspiração [“Independência” é Morte]

7/9 – Desafio 1: Morrer [“Independência” é Morte]

Acesse o link original desta pregação:

“Independência” é Morte

Ouça o audio:

Faça o download:

“Independência” é Morte – (download – clicar com o botão direito e em ‘salvar link como’)

Características do Mestre: Convicção [“Independência” é Morte]

A autoridade com que Cristo pregava é notória em todos os evangelhos. Todos ficavam admirados com suas pregações, pois Ele falava de algo que Ele acreditava, estava convicto de que o Pai consentia nas Suas palavras. Sua convicção em seguir todas as instruções do Pai e declarar com toda certeza Suas palavras é um fato. Ele estava convicto de quem Seu Pai é e de Sua plena confiança Nele. Não importaria a dor dos pregos em suas mãos, não importaria as humilhações dos homens, as tentações, nada. Ele cumpriria os desígnios do Pai a risca.

A convicção pode ser notada nas palavras proferidas de sua boca, nas atitudes frente a adversidade (tentação e humilhação dos homens) e também no cumprimento de sua missão até o fim. Ele foi obediente. E obediência é fruto de convicção. Quando um filho obedece seu pai ele está convicto que se não obedecer ou será repreendido ou sofrerá as consequências por desobedecer. Em ambas as opções existe convicção. O contrário é verdadeiro. Quando não há obediência há pouca convicção, tanto das consequências, quanto de que o próprio pai tem autoridade sobre o filho.

André Anéas

[acompanhe esta série de posts sobre “Independência” é Morte]

1/9 – Introdução [“Independência” é Morte]

2/9 – Jesus: Grande Líder “Da Causa” [“Independência” é Morte]

3/9 – E Quanto a Nós? [“Independência” é Morte]

4/9 – Características do Mestre: Paixão [“Independência” é Morte]

Acesse o link original desta pregação:

“Independência” é Morte

Ouça o audio:

Faça o download:

“Independência” é Morte – (download – clicar com o botão direito e em ‘salvar link como’)

Introdução [“Independência” é Morte]

“Eles foram convencidos pelo discurso de Gamaliel…” – Atos 5:40 [leia Atos 5:17-41]

Estado de “Independência”

Durante toda minha vida, nestes quase 25 anos, pude perceber que existe algo no ser humano que é um “combustível” para ele viver, uma grande motivação. Isto fica muito claro para mim quando observo a história. Em quantas guerras o homem já se envolveu? Quantos já morreram por conta de algum “ideal”? Quantos povos, tribos e nações envolvidas em algum tipo de conflito? Qual seria o porquê de toda história de guerras e conflitos entre os homens? Parte destas minhas percepções está baseada em filmes de guerras (medievais, modernas…), documentários, leituras sobre história. E quando nós olhamos para a história, em meio a todos estes conflitos, é praticamente certeza que encontraremos uma palavra: “independência”. Muitas vezes esta independência é transfigurada na palavra liberdade. Não basta somente irmos até um dicionário para entendermos o que esta palavra significa, pois não seria possível que somente seu significado motivasse homens pela história a bradarem por independência (ou liberdade), a ponto de entregarem suas vidas por um “ideal”. A questão não é e nunca foi a independência em si, mas sim o estado proporcionado por ela.

Deixando de lado a conquista pela conquista e a glória pela glória, almejada por muitos, o homem em geral luta por independência pelo estado de liberdade proporcionado por ela. Não se trata de algo superficial, mas de profundidade imensa! O estado de independência é um combustível significativo na vida do homem. A liberdade de trabalhar e fornecer condições dignas para sua família viver, educando os filhos, amando sua esposa e desfrutando da vida sem o julgo de algo “opressor” é algo que mexe de tal maneira com as emoções humanas que levaram muitos a declararem: “independência ou morte”. O estado de “independência” nos dá a clara ideia de um estado de plena satisfação, de plena realização, de que tudo foi conquistado e o que resta é desfrutar/viver dentro deste estado de perfeita paz. É interessante pensarmos que a morte é a segunda opção. O mais importante para os que bradaram esta frase é que se não for para se alcançar este estado de “independência” melhor seria morrer. Porém, ao viver neste estado, creio eu que, se a escolha do futuro ficasse a cargo do homem, com certeza, a imortalidade seria a principal escolha (a se ver por aqueles que buscam conquista pela conquista e a glória pela glória – já tendo alcançado a tempos a “independência”).

Grandes Líderes

Obviamente, no meio de tantas batalhas por “ideais” diversos, que de uma forma ou de outra, são águas cujas nascentes tem relação direta com “independência” e “liberdade”, quantos são os homens que se pudessem escolher sair do campo de batalha ou não manter vínculo algum com os “ideais” da causa pelejada assim o fariam? Sim, com certeza este número não é pequeno, pois o que nos chega muitas vezes é a parte romântica da história. Entretanto, o que dizer dos grandes líderes? Independente do romanticismo, algo é notório. Muitas vezes o desejo pela liberdade e pela conquista de uma “independência” que leve o povo, tribo ou nação em questão a desfrutar de um estado de paz é tão elevado que praticamente pode ser personificado nestes líderes. Che Guevara, Nelson Mandela e William Wallace são alguns exemplos. Este último, famoso guerreiro escocês (do filme Coração Valente), dizem ser seu este verso: “Liberdade é a melhor de todas as coisas a ser conquistada, a verdade, lhe digo então: nunca viva com os grilhões da escravidão, meu filho”.

Características dos Grandes Líderes

Vocês podem me perguntar: o que isso tudo tem a ver conosco? Não quero fazer apologia a nenhuma ideologia aqui, senão somente ao evangelho do Senhor Jesus. Mas existem algumas características notórias nestes grandes nomes da história, se assim podemos dizer. Primeiro: Todos são completamente apaixonados por aquilo que lutam (emoção). O desejo pelo estado proporcionado pela “independência” em questão inflama suas vidas a ponto de se entregarem pela causa, lutando até a morte se necessário; Segundo: Todos estão convictos de suas “causas” (razão). A convicção é tamanha que investem suas vidas, correndo risco de morte, para alcançar seus objetivos; Terceiro: A paixão e convicção são tão grandes que inspiram seus liderados. O “fogo” que os inflama incendeia todos ao redor, gerando a mesma intensidade nos “compatriotas” de causa. Paixão, convicção e inspiração. Três palavras que tem tudo a ver com os grandes bramadores de “independência ou morte”.

André Aneas

[acompanhe esta série de posts sobre “Independência” é Morte]

Acesse o link original desta pregação:

“Independência” é Morte

Ouça o audio:

Faça o download:

“Independência” é Morte – (download – clicar com o botão direito e em ‘salvar link como’)