Introdução – Urgência e Prioridade: Eternidade [Vencendo “Este Mundo Tenebroso”]

Jovens, eu lhes escrevi, porque vocês são fortes, e em vocês a Palavra de Deus permanece e vocês venceram o MalignoNão amem o mundo nem o que nele há. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele. Pois tudo o que há no mundo — a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens [soberba da vida] — não provém do Pai, mas do mundo. O mundo e a sua cobiça passam, mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre. – 1 João 2:14b-17

Iminência

Sejamos francos. Aquilo que o Evangelho se propõe a anunciar é arrependimento e fé em Cristo. Por que? Porque se não houver arrependimento e fé em Jesus estaremos condenados eternamente ao inferno. Sim. Esta é a verdade. A realidade de que nosso futuro eterno possui apenas duas opções, ou o céu ou o inferno. Pode até parecer arcaico e ultrapassado. Mas, para ser sincero e objetivo, é exatamente isso. “Todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus” – Romanos 3:23.

Embora seja uma ideia simples, e “ultrapassada” para alguns, o grande problema destes dias é a falta de urgência e prioridade dada pelas pessoas em geral a um assunto essencial para humanidade: a eternidade. Não estou dizendo que somente exista importância em ser salvo para ir para o céu. Penso que a salvação é muito mais do que “se livrar” do inferno. Acredito que somos salvos por Deus para retornarmos ao estado anterior a queda: reconciliação com Deus, conosco mesmo, com o próximo e com a natureza. Entretanto, a consciência coletiva de que nossas ações neste mundo e a maneira como vivemos determinará nosso futuro eterno está muito aquém daquilo que deveria. Tanto para quem está na igreja quanto para quem não está.

Esta consciência de urgência e prioridade se dá em dois aspectos: para nosso “eu” e para nosso próximo. Somos influenciados e influenciamos aqui neste mundo. Aquele que está em Cristo ouviu o evangelho (influenciado, evangelizado) e, este mesmo, após se converter a Cristo, tem como dever evangelizar (influenciar). Agora, o que leva à conversão (influenciado, evangelizado)? O que o motiva a evangelização (influenciar)? Um dos motivos acredito ser uma consciência de urgência e prioridade de que a eternidade será no céu ou no inferno. Repito, não quero dizer com isso que se trata de uma barganha, em que me convertendo simplesmente não vou para o inferno. Claro que o amor de Deus nos atrai e pela sua graça somos salvos e, neste processo, passamos a amar ao Pai, pois Ele nos amou primeiro (1 João 4:19). Porém, neste processo também somos “pegos” por este fato: a eternidade! O desespero daquele que se vê condenado por Deus e tem em Jesus as “boas notícias” e o desespero daquele que anuncia Jesus a quem tem seu destino certo no inferno.

André Anéas

[acompanhe esta série de posts sobre Vencendo “Este Mundo Tenebroso”]

Acesse o link original desta pregação:

Vencendo “Este Mundo Tenebroso”

Ouça o audio:

Faça o download:

Vencendo “Este Mundo Tenebroso”

Conclusão [Recebendo um “Feedback” de Deus]

jovens

E você jovem? Como está sua disposição, seu ânimo? Tem se utilizado da força da juventude para servir ao Senhor? E a Igreja tem dado o melhor? A Palavra de Deus tem permanecido? O fogo do Espírito Santo tem queimado ainda nos nossos corações? Temos tido vitória contra as investidas do diabo? Temos investido nosso tempo, e energia (física ou intelectual) para, com o Espírito Santo que permanece em nós, arrombarmos as portas do inferno? Roubarmos as vidas de lá e rejeitarmos tudo aquilo que é contrário ao Reino de Deus?

Quantos de nós estamos preparados para estar diante de Jesus e ouvir Dele:

“Meu amado filho(a), seus pecados foram perdoados, pois tu confiaste em Mim.

Tu me buscastes de todos seu coração, eu te via chorando e clamando e pedindo por socorro. Eu te vi e ouvi quando orastes a mim em secreto e de maneira desesperada me pedia para ouvir minha voz e sentir minha presença, por isso te acolhi, te abracei, em meus braços de amor te coloquei! Tu conhecestes a mim. Eu conheço a ti!

Vi teu esforço em me servir, em me agradar. Vi que usastes toda sua força em me amar. Destes o teu melhor por mim e pelo Reino do nosso Pai. A Palavra, Eu o Senhor, permaneci em ti. Não destes lugar ao diabo. Vi quando se desviou do mal. Vi seu medo de pecar contra mim, vi seu temor! Estive contigo! Meu Espírito Santo estava pleno em você amado filho e você nunca o extinguiste, nem se envergonhou de mim! Você foi vitorioso em mim meu querido e amado filho!”

Esperança

Todos nós podemos ter esperanças aqui nesta terra. Esperança de um emprego melhor. Esperança de termos um filho. Esperança de encontrarmos a mulher amada ou esposo amado. Esperança de realizar nossa vocação: ser médico, bombeiro, enfermeira, etc. Esperança de fazer as pazes, de voltar a ver a família unida. Esperança de estudar algo novo. Esperança por ver coisas serem realizadas.

Entretanto, para nós cristãos, nossa esperança última é o Senhor! Nossa esperança está Nele. Por mais que tenhamos expectativas de coisas aqui nesta terra, podendo ser elas genuínas (e muitas vezes o são), nosso coração como cristãos deve ter todos os desejos, todas expectativas e vontades subjugadas a esperança de nossas vidas: o Senhor Jesus. Nada deve superar isso. Nada deve elevar mais o seu coração do que Ele. Ele é a razão de tudo!

Temos que ter claro em nossas mentes e corações que por mais que tudo venha a dar errado, que todo o planejamento venha ser frustrado e toda expectativa arruinada, ainda assim temos o Senhor! A verdade é que não temos nada, a não ser Ele. Devido as coisas que nos cercam podemos ter a impressão que temos o controle e de que possuímos algo. Porém, a verdade é que só temos o Senhor. Ele é a porção da nossa herança; Ele é a nossa “terra prometida”; Ele é nossa esperança!

Por isso, devemos permanecer:

E agora, filhinhos, permanecei nele; para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança, e não sejamos confundidos por ele na sua vinda.  1 João 2:28

Permanecei Nele! Com pecados perdoados, conhecendo-O e sendo conhecido Dele, sendo fortes, tendo a Palavra Dele em seus corações e obtendo Nele a vitória contra o diabo!

Se você se percebe fraco, sem vitória, com a vida distante dos caminhos do Senhor, este é o momento para olhar para Ele e clamar por perdão, restauração. Não deixe passar a oportunidade de olhar para Jesus, que tanto te amou, para que você pudesse amar a Deus, e se entregar completamente a Ele!

Se esta foi a primeira vez que você ouviu o Evangelho, do Justo que morre por você, por causa do seu pecado, não deixe passar a oportunidade de se tornar um discípulo de Jesus, de receber o perdão do Pai no sangue do Filho! Ele te ama! Não deixe passar a oportunidade de caminhar na fé em Deus para que um dia, possamos diante Dele, juntos, receber este feedback de seus lábios. Uma Palavra positiva, real, de que Ele nos conhece.

André Anéas

[acompanhe esta série de posts sobre Recebendo um “Feedback” de Deus]

1/8 – Introdução – Igualdade no Corpo [Recebendo um “Feedback” de Deus]

2/8 – Introdução – “Feedback” [Recebendo um “Feedback” de Deus]

3/8 – Perdão dos Pecados [Recebendo um “Feedback” de Deus]

4/8 – Conhecer a Deus [Recebendo um “Feedback” de Deus]

5/8 – Força [Recebendo um “Feedback” de Deus]

6/8 – A Palavra de Deus [Recebendo um “Feedback” de Deus]

7/8 – Vencendo o Maligno [Recebendo um “Feedback” de Deus]

Acesse o link original desta pregação:

Recebendo um “Feedback” de Deus

Ouça o audio:

Faça o download:

Recebendo um “Feedback” de Deus – (download – clicar com o botão direito e em ‘salvar link como’)

A Palavra de Deus [Recebendo um “Feedback” de Deus]

… e em vocês a Palavra de Deus permanece… – 1 João 2:14

semeador

Além da “força”, João diz que a Palavra permanecia neles! Entendo que a força a qual João se refere seja sim da disposição que os jovens tem, porém, canalizada para o Reino de Deus! Ao dizer que a Palavra permanecia neles, me lembro da parábola de Jesus das sementes…

Mas, o que foi semeado em boa terra é o que ouve e compreende a palavra; e dá fruto, e um produz cem, outro sessenta, e outro trinta. – Mateus 13:23

Estes jovens descritos em 1a João, davam frutos, pois a Palavra, o Evangelho de Cristo, permaneceu neles. Não se tratava somente de compreensão, como o texto de Mateus diz. Mas frutos, ações, mudanças, arrependimento genuíno, conversão real e experiência verdadeira com o Cristo!

A junção da força natural dos jovens com a experiência real com o Criador, em cujo Evangelho permanece, numa terra boa, resulta em frutos! E o que seria “fruto” se tratando do Evangelho? Seria demonstrações interiores e exteriores da árvore a que o fruto se refere. E qual árvore fornece o fruto descrito em Mateus? Jesus.

André Anéas

[acompanhe esta série de posts sobre Recebendo um “Feedback” de Deus]

1/8 – Introdução – Igualdade no Corpo [Recebendo um “Feedback” de Deus]

2/8 – Introdução – “Feedback” [Recebendo um “Feedback” de Deus]

3/8 – Perdão dos Pecados [Recebendo um “Feedback” de Deus]

4/8 – Conhecer a Deus [Recebendo um “Feedback” de Deus]

5/8 – Força [Recebendo um “Feedback” de Deus]

Acesse o link original desta pregação:

Recebendo um “Feedback” de Deus

Ouça o audio:

Faça o download:

Recebendo um “Feedback” de Deus – (download – clicar com o botão direito e em ‘salvar link como’)

Força [Recebendo um “Feedback” de Deus]

… Jovens, eu lhes escrevi, porque vocês são fortes… – 1 João 2:14

força

Aos jovens, o apóstolo João lhes escreve algo excepcional! Ele lhes diz que são “fortes”, que “a Palavra permanece” neles e que “venceram o Maligno”! Imagino que os jovens das Igrejas que o apóstolo João escreveu deviam ter tido vitórias tremendas e crescimento na fé!

O jovem é forte! É do jovem que vem a renovação, a disposição para se atualizar, mudar e transformar! Tudo pode estar dando errado, o ânimo de muitos pode ter se perdido, mas se a mudança de atitude pode surgir de alguém, a disposição para enfrentar desafios, não se importando com as barreiras, críticas, etc., este “alguém” são os jovens.

Algo muito triste é quando existe um jovem que não utiliza o seu vigor, sua força. Prefere um caminho de pessimismo, da dúvida, deixando de lado a convicção e a paixão. Muito diferente dos jovens para quem João escreve, pois o apóstolo do amor diz que são fortes, detentores de força!

André Anéas

[acompanhe esta série de posts sobre Recebendo um “Feedback” de Deus]

1/8 – Introdução – Igualdade no Corpo [Recebendo um “Feedback” de Deus]

2/8 – Introdução – “Feedback” [Recebendo um “Feedback” de Deus]

3/8 – Perdão dos Pecados [Recebendo um “Feedback” de Deus]

4/8 – Conhecer a Deus [Recebendo um “Feedback” de Deus]

Acesse o link original desta pregação:

Recebendo um “Feedback” de Deus

Ouça o audio:

Faça o download:

Recebendo um “Feedback” de Deus – (download – clicar com o botão direito e em ‘salvar link como’)

Conhecer a Deus [Recebendo um “Feedback” de Deus]

Pais, eu lhes escrevo porque vocês conhecem aquele que é desde o princípio. 1 João 2:13

Conhecer a Deus

O conhecimento dos “pais” é destacado pelo apóstolo. Eles são conhecidos por conhecerem Deus, aquele é desde o princípio. E quem é desde o princípio?

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. – João 1:1-4

Eles conheciam o Senhor. E conhecer implica em amar e obedecer a Deus:

Qualquer que permanece nele não peca; qualquer que peca não o viu nem o conheceu. – 1 João 3:6 

Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor. – 1 João 4:7-8

A. W. Tozer, nos fala sobre conhecer o Deus certo:

“O evangelho pode tirar da mente esse fardo destruidor, substituir as cinzas pela beleza, e o espírito de opressão pelas vestes de louvor. A não ser que o peso deste fardo seja reconhecido, o evangelho não fará sentido para o homem; e a não ser que ele veja a visão de Deus alto e exaltado, não haverá pesar ou fardo. Ideias baixas de Deus destroem o evangelho para todos que as têm.”

Ou seja, para correta compreensão do Evangelho é essencial conhecer o Deus certo. Pois sim, é possível imaginarmos um Deus que não é o Deus revelado em Jesus! Hoje em dia, muitas pessoas estão atrás de um Deus que somente resolve problemas, que traz benefícios, que nos dá vantagens! E esta realidade não está restrita a igrejas que ouvimos falar. Precisamos olhar em nós e perceber qual Deus estamos adorando. Se é o deus que somente nos dá o queremos ou se é o Deus Todo-Poderoso e exaltado, digno de louvor, eterno, que deve ser adorado em qualquer circunstância, o Deus SANTO que fora ofendido por nossa rebelião, nosso pecado!

Quando compreendemos que conhecer a Deus implica em colocá-lo na posição de Criador e nos colocar como criaturas, a realidade do evangelho, do Deus que nos adota como filhos e se faz Pai em Cristo, será algo ainda mais impressionante! Será muito maior do que nossa compreensão!

Uma vez que João se dirigi aos “pais”, cabe aqui um alerta aos mais maduros na Igreja. Uma vez que vocês conhecem o Pai, vocês tem a responsabilidade de fazer o Pai ser conhecido através da vida de vocês. Fazer conhecido na sua família, no mundo e servir de exemplo ao mais novos na Igreja do Senhor, sendo referência de caráter cristão e de amor!

Conhecer a Deus é importante. Mas destaco as Palavras do Senhor Jesus:

Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade. – Mateus 7:22-23

Mais importante do que conhecê-lo é ser conhecido por Ele! Deus exige de nós algo genuíno, verdadeiro e não de “fachada”. Precisamos nos examinar e nos arrepender. Conhecemos verdadeiramente o Senhor? Nossas ações são verdadeiras, genuínas? O Senhor nos conhece? Sabe da nossa humildade, das nossas orações em secreto, nas quais nos colocamos diante Dele como pó e quem não tem nada se não Ele? Sabe do nosso anseio de agradá-lo por quem Ele é e não somente pelo que Ele faz? Sabe da nossa verdadeira intenção de amá-lo, porque Ele nos amou?

Ser conhecido Dele é conhecê-lo…

André Anéas

[acompanhe esta série de posts sobre Recebendo um “Feedback” de Deus]

1/8 – Introdução – Igualdade no Corpo [Recebendo um “Feedback” de Deus]

2/8 – Introdução – “Feedback” [Recebendo um “Feedback” de Deus]

3/8 – Perdão dos Pecados [Recebendo um “Feedback” de Deus]

Acesse o link original desta pregação:

Recebendo um “Feedback” de Deus

Ouça o audio:

Faça o download:

Recebendo um “Feedback” de Deus – (download – clicar com o botão direito e em ‘salvar link como’)

Perdão dos Pecados [Recebendo um “Feedback” de Deus]

Filhinhos, eu lhes escrevo porque os seus pecados foram perdoados, graças ao nome de Jesus.  1 João 2:12

perdao

É lindo ver que João ao escrever “filhinhos” pode estar se referenciando as crianças da Igreja. É algo que revela que o ensinamento de Cristo, de valorizar os pequeninos e colocá-los como referência, é algo que prevalecia na Igreja da época do apóstolo. Aqui se percebe a pureza do Evangelho, que precisar estar claro dentro de nós.

Nossos pecados são perdoados por causa do Senhor Jesus. Somente Nele existe perdão. Somente em Cristo podemos ser lavados da culpa de nossas falhas deliberadas contra a Majestade do Criador. A compreensão desta doutrina pode parecer clara. Mas o fato é que não bastar entender. Esta verdade deve estar dentro de nós.

A. W. Tozer, escreveu em seu livro The Knoledge of the Holy que:

“O homem que chega à crença correta sobre Deus é aliviado de dez mil problemas temporais, pois ele vê imediatamente que esses têm a ver com questões que, ao máximo, não podem o preocupar por muito tempo; embora os muitos fardos temporais sejam tirados dele, o fardo da eternidade ainda o esmaga com um peso maior de todas as angustias do mundo amontoadas sobre ele. Esse fardo poderoso é a sua obrigação para com Deus. Inclui uma obrigação imediata e vitalícia de amar a Deus de todos os poderes da mente e alma, de obedecê-lO perfeitamente, e adorá-lO dignamente.”

A realidade de se compreender o tamanho do problema do pecado é o que nos levará a constatação de que precisamos ser perdoados. E mais, de que nada do que a gente faça pode nos fazer garantir o perdão. Este fato é assustador e aterrorizante, pois nos percebemos sem escape, sem saída, sem alternativa. Nosso destino é o inferno. Mas louvamos ao Senhor pela Sua graça que nos salva gratuitamente em Cristo Jesus e nos dá a vida eterna Nele!

Ter os pecados perdoados é ter compreendido e encarnado o Evangelho. E o que seria o Evangelho senão uma boa notícia?

Pois também Cristo sofreu pelos pecados uma vez por todas, o justo pelos injustos, para conduzir-nos a Deus. Ele foi morto no corpo, mas vivificado pelo Espírito… – 1 Pedro 3:18

Pelas palavras de João, aqueles “filhinhos”, sejam criança ou a Igreja em geral tinham compreendido a mensagem do Evangelho, o recebido, e tido os pecados perdoados. A Igreja compreendera o que Jesus fez por nós. Por isso João lhes escreve, porque eram crentes em Cristo e porque João queria incentivá-los a permanecerem fiéis, elogiá-los, pois estavam no caminho correto. Não somente entenderam logicamente a mensagem de Deus, mas tiveram os pecados perdoados. E isto é importante. João não fala com quem tirou dez em teologia, com quem frequentava a Escola Bíblica Dominical, com quem tinha frequência no culto, mas ele se importa com quem tem os pecados perdoados! O que importa para João é na verdade a experiência real de perdão de pecados vivenciada por seus “filhinhos”.

Esta experiência real é o que importa para nós. É muito importante e primordial muitas coisas dentro do Corpo. Mas se não tivermos a real experiência de termos nossos pecados perdoados pelo nome de Jesus, de nada valerá estarmos presente nas atividade da igreja.

André Anéas

[acompanhe esta série de posts sobre Recebendo um “Feedback” de Deus]

1/8 – Introdução – Igualdade no Corpo [Recebendo um “Feedback” de Deus]

2/8 – Introdução – “Feedback” [Recebendo um “Feedback” de Deus]

Acesse o link original desta pregação:

Recebendo um “Feedback” de Deus

Ouça o audio:

Faça o download:

Recebendo um “Feedback” de Deus – (download – clicar com o botão direito e em ‘salvar link como’)

Introdução – “Feedback” [Recebendo um “Feedback” de Deus]

feedbackFilhinhos, eu lhes escrevo porque os seus pecados foram perdoados, graças ao nome de Jesus. Pais, eu lhes escrevo porque vocês conhecem aquele que é desde o princípio. Jovens, eu lhes escrevo porque venceram o Maligno. Filhinhos, eu lhes escrevi porque vocês conhecem o Pai. Pais, eu lhes escrevi porque vocês conhecem aquele que é desde o princípio. Jovens, eu lhes escrevi, porque vocês são fortes, e em vocês a Palavra de Deus permanece e vocês venceram o Maligno. – 1 João 2:12-14

Quem não gosta de ser elogiado? Quem não gosta de ter seu trabalho reconhecido? A quem um elogio não motiva a continuar no caminho certo? Um elogio nos motiva a continuar na mesma direção, avançando. Por outro lado, uma repreensão verdadeira e genuína, recebida por quem é humilde para reconhecer falhas, nos provoca a mudar de direção, sair do caminho que nos leva para o local errado e voltarmos ao caminho que nos leva para o “alvo”.

O apóstolo João procura neste trecho incentivar a Igreja. Justificando o motivo de lhes escrever (“eu lhes escrevo porque…”), ele procura incentivar o povo a continuar no caminho correto, no caminho que leva a vida. Ele reconhece que mesmo em meio as investidas dos falsos mestres com seus falsos ensinos, a Igreja tem se mantido fiel a Palavra do Senhor, ao Evangelho de Cristo. Claro que aqueles que lerem as palavras de João e não estiverem sendo fiéis, certamente encararam estes “elogios” de outra maneira. Com inveja ou com temor, quem sabe motivando-os a se voltarem ao caminho correto.

Certo é que o verdadeiro cristão gostaria de ser elogiado por sua conduta. Ter um feedback de como está o caminhar cristão seria algo excepcional, pois poderíamos tomar atitudes para corrigir falhas e nos motivar a continuar nos acertos.

Imagine receber as Palavras do apóstolo João da boca de seu pastor no final de seu ministério, condição em que provavelmente se encontrava João. Imagine receber estes elogios do próprio apóstolo João, o qual aprendeu pessoalmente com o Senhor. Quão tremendo seria!

Mas o que precisa nos inquietar é a realidade que este feedback nos será dado pelo próprio Senhor um dia. E a realidade de que prestaremos contas e de que não haverá mais tempo de corrigir nada deve nos manter alertas como crentes, vigilantes. Daí a importância de compreender aquilo que João disse à Igreja e avaliar nossas vidas diante de Deus para vermos se estamos em condição de obreiros aprovados ou não.

André Anéas

[acompanhe esta série de posts sobre Recebendo um “Feedback” de Deus]

1/8 – Introdução – Igualdade no Corpo [Recebendo um “Feedback” de Deus]

Acesse o link original desta pregação:

Recebendo um “Feedback” de Deus

Ouça o audio:

Faça o download:

Recebendo um “Feedback” de Deus – (download – clicar com o botão direito e em ‘salvar link como’)