Eu pensei…

Me disseram que amigos era a melhor coisa do mundo.
Eu acreditei e não era verdade.

Me disseram que beber era a melhor coisa do mundo.
Eu acreditei e não era verdade.

Me disseram que a sensação causada pela droga era a melhor coisa do mundo.
Eu acreditei e não era verdade.

Me disseram que sexo fácil era a melhor coisa do mundo.
Eu acreditei e não era verdade.

Me disseram que dinheiro era a melhor coisa do mundo.
Eu acreditei e não era verdade.

Me disseram que Jesus é a melhor coisa do mundo.
Eu não acreditei. E É VERDADE!!!

 

Aline Laurenti

Balada Gospel…

Segue abaixo post de um blog. Muito relevante!

A revista Veja dessa semana traz uma reportagem sobre as mudanças ocorridas entre os jovens das igrejas evangélicas no Brasil. E de fato, tenho que concordar algumas dessas mudanças foram para melhor. Até aí tudo bem, mas quando chegamos ao ponto de dizer: “A diferença entre os evangélicos e a maioria dos outros jovens é que suas festas são sem álcool, o namoro é sem sexo e as roupas, sem exageros…” ai é complicado.
Uauh! Eu pensava que as diferenças fossem outras, que tolinho que eu sou! Eu na minha inocência Bíblica pensava que uns são filhos de Deus e os outros filhos do diabo; eu pensava que uns deveriam ser santos e os outros pecadores; eu pensava que uns não deveriam se conformar com a forma de ser deste mundo e os outros agiam conforme o mundo, vivendo conforme o príncipe deste mundo; eu pensava que uns deveriam viver no Espírito e outros na carne; eu pensava que uns deveriam ser a imagem de Cristo e os outros são de seu pai, o diabo; eu pensava que uns eram chamados para ser igreja enquanto os outros eram chamados para os prazeres deste mundo; eu pensava que uns deveriam ser luz para o mundo enquanto os outros são trevas; eu pensava que uns não deveriam amar o mundo nem as coisas que há no mundo enquanto os outros amam este mundo e tudo o que há nele; eu pensava que uns viviam para o Senhor e outros tinham como senhor o dinheiro; eu pensava que uns eram justos e outros condenados; eu pensava que uns viam e outros eram cegos; eu pensava que uns eram crentes, outros incrédulos. Como eu estava enganado… ou será que não?
A reportagem ainda fala de um “pub” gospel pertencente a um tal de “x” que afirma aos casais: “Beijar, pode; avançar o sinal, não”. Foi bom ser informado disso, pois até então, eu pensava que beijar na boca, era um estímulo sexual que gerava a liberação de testosterona pelos testículos; eu pensava que esta testosterona invadia o cérebro liberando dopamina sendo que estas duas substâncias juntas disparavam a produção de FSH-RF e LH-RF, que são os hormônios sexuais que aumentam a produção de espermatozóides, causando rubor e calor corporal, aumentando o batimento cardíaco e por conseqüência a circulação sanguínea que leva a ereção do pênis.
Eu na minha inocência biológica pensava que todo esse processo químico quando não consumado no ato sexual levava os rapazes e moças para se realizarem no banheiro. Além disso, eu em minha ignorância pensava que o texto Bíblico dizia que nós não devemos defraudar nosso irmão, quer dizer, gerar nele(a) um desejo sexual que posteriormente não poderíamos suprir e que se supríssemos estaríamos em pecado. Ué! Acho que a Bíblia se enganou não é mesmo?
Eu pensava que se alguém se masturbasse pensando na namorada com a qual não se casou isso seria adultério, mas acho que Jesus se enganou, a Bíblia deve estar errada, o “x” deve estar mais certo. Certo?
Essa reportagem é bem reveladora também, pois mostra que a vida cristã é uma troca com Deus, você obedece a certos princípios e logo terá um futuro próspero, promissor, rico… Como é dito do Ricardo, um jovem entrevistado na revista: “nesta antecipação de dias melhores, poucas coisas fazem tanto sentido quanto a valorização do progresso material” e ainda afirma: “se somos pessoas boas, nossa fé vai dar condições de, por exemplo, viajar, fazer cruzeiros e ficar em hotéis cinco-estrelas”.
Caramba! E eu que ficava seguindo a Jesus, um marceneiro pobre que nasceu num curral e nem tinha casa própria para dormir e andava com gente da pior qualidade (prostitutas, leprosos, pescadores, etc…), como eu vejo que não sei nada. E ainda perco meu tempo ficando horas lendo livros de um tal de Paulo que depois que caiu do cavalo ficou pobre, terminou a vida numa prisão com todos os seus bens, uma capa e um livro. Vejam só! Essa reportagem é muito esclarecedora, não é?
Outra coisa interessante é que a reportagem não fala de pecado, de salvação, de vida eterna, de nada disso, até mesmo os crentes entrevistados nem mencionam o assunto, tudo o que dizem é de garantir um futuro melhor aqui nesta Terra. E eu que fico esperando Jesus voltar, que penso que preciso crer em Cristo para ser salvo da morte eterna (inferno), eu pensava que ser crente era se despir do velho homem e ser feito à imagem de Cristo. Que nada, o negócio é só deixar de fumar, beber e fazer sexo fora do casamento e ficar rico por causa disso. Muito mais fácil. Imitar Jesus dá muito trabalho não é mesmo?
Além disso, a grande prova de fé mostrada na revista é “pagar o mico total” de orar em público na Avenida Paulista aos domingos. E eu tonto pensando que fé era crer que Deus veio à Terra, morreu na cruz e ressuscitou para me salvar, eu que pensava que fé era obedecer a Bíblia, participar da Igreja, esperar a vinda de Cristo, orar e crer que posso mover montanhas, que nada, acho que vou orar na Paulista também, o quê que vocês acham?
Agora já entendi porque as igrejas evangélicas estão tão lotadas, a coisa é bem mais fácil do que eu imaginava e do que a Bíblia diz, e prá falar a verdade, pra quê Bíblia, né?!?! Ela é muito radical. Acho que vou virar evangélico brasileiro, afinal de contas tá na moda…

Creuse P. S. Santos – (http://theologizando.blogspot.com/2008/09/balada-gospel.html) – Publicado em 09/09/2010



Banalização

É a triste realidade… Acredito (infelizmente acredito mesmo), que daqui alguns anos dizer algo contra o homossexualismo (não o homossexual) em algumas igrejas evangélicas, você poderá ser tachado de legalista. Perceba os anos… Tantas coisas têm se tornados banais e comuns no meio do povo de Deus. O jeito do mundo tem invadido a igreja progressivamente. Caso você não aderir, muito provavelmente se tornará vítima de acusações de irmãos que “negociaram” princípios e valores com o mundo e muitas vezes em nome da suposta ‘graça’ (que não tem nada a ver com a verdadeira graça) e de ‘muletas bíblicas’ como, por exemplo: “Deus se interessa somente pelo coração…”.

Não negocie!

Ame.

Não ceda!

Vigie.

Não durma!

Ore.

Que a verdadeira graça e a misericórdia do Senhor transborde na vida de vocês e que o poder do Espírito Santo seja conosco em nome de Jesus!

André Aneas