Reação de Jesus às Modas/Tendências [Ser Crente Está na Moda?]

Então disse Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos? – João 6:67

Desde quando li os versículos do capítulo 6 do evangelho de João fiquei espantado com a atitude de Jesus e dos 12 discípulos. Naquele contexto a moda era seguir a Cristo pelos sinais que Ele fazia. Porém, nos versículos deste capítulo acontece algo que se torna divisor de águas entre os discípulos. Jesus começa a revelar quem Ele realmente é e qual o seu propósito aqui na terra. Jesus aqui passa a revelar o REAL SENTIDO DO EVANGELHO.

As palavras de Jesus no versículo 51, dizendo que quem comer da Sua carne viverá eternamente, torna o “clima” bem complicado entre os ouvintes. Quando Ele revela que é o Pão que desceu do céu e que temos de comer de sua carne e beber do seu sangue, o assunto se torna desagradável (v. 60). Chegando ao ponto de dizerem “Duro é este discurso; quem o pode ouvir?”. Em seguida é relatado que muitos dos DISCÍPULOS abandonaram Jesus (v. 66). Os únicos que restaram foram os 12.

Não é difícil de imaginar que SE esta situação ocorresse na igreja hoje, muito provavelmente, eventos, programações diferenciadas e bajulações poderiam ser usadas como “ferramentas” para atrair as pessoas de volta. E é bastante provável que haveria uma “paparicação” dos 12 restantes, para não perdê-los também.

Mas Jesus está completamente fora de moda e não segue qualquer tendências humana.

Jesus pergunta aos 12 no versículo 67: “Vocês não querem ir embora com os outros?”.

Jesus sequer se dirige para os que o abandonam, não mudando em nada seu discurso. E ainda por cima pergunta aos 12 se não querem ir com os demais…

[confira esta série de posts sobre o tema: “Ser Crente Está na Moda?”]

1/6 – Modas e Tendências [Ser Crente Está na Moda?]

2/6 – O Que Está na Moda? [Ser Crente Está na Moda?]

André Aneas

O Que Está na Moda? [Ser Crente Está na Moda?]

No meio evangélico temos passado por muitas tendências e muitos modismos. Toda esta realidade de shows, eventos e programações especiais tem nos cercado. Temos visto e comprovado igrejas lotadas e o número de evangélicos crescer no Brasil.

Nós que frequentamos igreja temos convivido com muitos cristãos. Pessoas tem passado por nossa vida e não é difícil encontrar exemplos de quem está firme em Deus e depois não está mais, de quem está com uma frequência alta nos cultos e que depois some de vista ou aqueles que embora estejam sempre presentes nos cultos e eventos cristãos são uma pessoa na igreja e outra, bem diferente, lá fora.

O se intitular evangélico está na moda. Existe esta tendência. Por exemplo nos EUA ser crente se tornou algo muito comum. Em quase todas as famílias as pessoas se intitulam cristãs (cristãos nominais). Creio eu que aqui no Brasil estamos caminhando para isto.

É perceptível também a quantidade de cristãos que inventam moda. Antigamente ser um crente no Senhor significava ser separado do mundo, ter uma vida de oração, ter comunhão com os irmãos, conhecer e prosseguir em conhecer a Deus. Dentro deste “antigamente” as disciplinas espirituais eram muito mais valorizadas. Mas esta geração tem sido marcada muitas vezes não pelo SER crente em Cristo, mas sim pelos shows, eventos, busca de bens materiais (teologia da prosperidade), busca do conforto, de ouvir aquilo que gosta, de se vestir conforme der na telha, falar sobre vãs filosofias, ser crente e não participar da igreja e infelizmente, por muitas vezes dar “brechas” para as coisas do mundo contaminarem o meio cristão em que estamos inseridos. Ser um crente “descolado” está na moda.

Entretanto, o simples fato de se dizer cristão não significa que nos torne verdadeiros cristãos. Ser um verdadeiro cristão não tem nada a ver com tendências e modismos, pois ser parte da igreja do Senhor é algo atemporal, porque não está preso as modas e tendência do mundo.

[confira esta série de posts sobre o tema: “Ser Crente Está na Moda?”]

1/6 – Modas e Tendências [Ser Crente Está na Moda?]

André Aneas